Militâncias e Minha Saúde Mental.

outubro 17, 2016 at 1:18 pm (aleatorias)

tumblr_static_mood-community-wordle-image

Ser uma mulher negra bi ativa nas causas sociais e ter um transtorno psicológico, no meu caso sou bipolar, é uma grande merda. Por que você pensa que a galera de militância e movimento social vai ter alguma empatia, ter algum tipo de tato ou um mínimo de respeito pelo seu local de fala e não vão sair soltando um bando de asneira estupida que faz você piorar por que eles não têm nenhuma vivencia da sua experiência com isso.

Ai você descobre que a realidade é de outro jeito.

Vamos encarar um principio simples. NENHUMA OPRESSÃO SOCIAL ESTÁ CAUSANDO A MINHA DOENÇA. Você acha que racismo dá câncer? Que machismo e misoginia levam à diabete? LGBTfobia foi o responsável pela sua asma? Não! Então por que diabus você acha que alguma opressão social está causando ansiedade/depressão/transtorno de humor?

Mental Illness ou transtornos psicológicos são tão doenças quanto asma, diabetes ou câncer. Essas doenças tem uma causa física, não está sob o meu controle ou do meio ao meu redor. Não foi a morte da minha mãe que causou isso, não foi meu péssimo relacionamento com meu pai, não foi um sistema opressor que causou. Mesmo que o mundo não fosse racista, machista e lgbtfobico como é eu ainda seria bipolar.

Então Camila, você tá dizendo que opressões sociais não influenciam na saúde mental das pessoas?

Não foi isso que eu disse. Eu disse que elas não causam as doenças, mas ser um negro de periferia com câncer é algo bem diferente de ser um branco classe média alta com câncer. A forma como somos visto socialmente afeta o nosso tratamento.

Como mulher negra eu já sou naturalmente considerada agressiva, histérica e louca. Então quando estou em crise na fase de mania e minhas emoções estão exaltadas, é comum ignorarem o meu comportamento como sintoma por cair no estereotipo da negra barraqueira. A maioria dos transtornos mentais é considerada doença de branco/rico, como se não fossem doenças reais, mas sim sinal de fraqueza ou incapacidade, o que gera que a comunidade negra ignore esse tipo de doença tornando ainda pior o diagnostico e tratamento correto, bem como reforçando estereótipos nocivos.

Mas e onde entra os movimentos sociais? A galera toda cheia de boa intenção acha que por entender de opressão social entende como é sofrer de ansiedade/depressão/transtorno de humor. Eu nunca iria virar pra alguém com bronquite asmática e falar que a crise dela é como mulheres se sentem diante da sociedade patriarcal. Parece bem estupido né? Então o que faz uma boa ideia comprar meu sentimento suicida com alguma opressão social?

Mas Camila, eu me sinto impotente diante dessa sociedade patriarcal cissexista lgbtfobica com vontade de tirar minha vida e sem forças para sair da cama alguns dias. Pow, vei, que barra, procura um psicólogo que cê tá apresentando sintomas de depressão e achar que isso é natural de quem é consciente de causas sociais só vai agravar seu quadro.

Tirando um pouco do meu humor natural para lidar com tudo. Eu sei que pessoas diferentes têm reações diferentes aos transtornos psicológicos que apresentam. Talvez para algumas pessoas o gatilho para toda depressão que ela sente sejam situações de racismo e eu nunca vou dizer que essa pessoa tá errada, por que eu não sou ela e eu não vivi na pele dela pra saber. Mas pelo que te for mais sagrado, vamos, por favor, parar de usar frases como “o racismo não nos mata, nos enlouquece”. Ninguém que tem transtorno psicológico está enlouquecendo, eu não sou louca, só sou bipolar. Esse tipo de frase perpetua o péssimo estereótipo da loucura e depois reduz as coisas a uma situação sociológica. E isso gera com que muita gente com ansiedade/depressão/transtorno de humor se afaste dos movimentos sociais por não se sentirem ouvidos e muito menos acolhidos.

Se você não sabe como ajudar e vai acabar soltando esse tipo de frase, só não fale comigo e me deixe no meu canto. Por quê muito me ajuda quem não me atrapalha.

Link permanente Deixe um comentário